26 de julho de 2017

IDADES


Mais um da série "pessoas que se afastam". Desta vez, aconteceu desenhar o que parecem ser estádios etários bem distintos: a infância, a adolescência, a idade adulta e a terceira idade. É curioso ver-se a diversidade das indumentárias, aqui enriquecida por um pozinho de especiarias da Índia:




19 de julho de 2017

UM HOMEM E TRÊS MULHERES


Não, não é poligamia. É apenas a combinatória inversa do "post" anterior, feita igualmente ao acaso e com a mesma temática: figuras aleatórias a caminhar pela rua, vistas de costas. Também aqui se misturam as estações, mas desta vez igualmente as mãos: há um casal que caminha de dedos enlaçados. Já as senhoras protegem as mãos do frio metendo-as nos bolsos.


17 de julho de 2017

VERÃO VS. INVERNO


Cá continuo, toda divertida, com os meus estudos de pessoas em movimento. Desta vez, uma indumentária de Verão, feminina, lado a lado com três espécimes invernosos, masculinos. Só o cão é uni-estação – e de sexo indefinido. Deixemo-lo assim, qual ser angélico a vogar por esferas livres, sem normas nem atavios. (Mesmo nessa dimensão, fazia-lhe bem uma dieta.)




13 de julho de 2017

GENTE QUE PASSA


Dois estudos sobre a figura humana:



Poucas coisas me dão mais prazer do que desenhar pessoas. Estas, cheias de Verão e tranquilidade, sabem-me já a férias...

10 de julho de 2017

DIRECTAMENTE DA TATE MODERN PARA MINHA CASA


Vejam a tela que tenho ali na entrada:


Sabem de quem é? Sim, é de um artista de renome internacional, que me deixou endividada até ao fim dos meus dias. Antes de aceitar apostas, avanço com a revelação da autoria, dando provas gráficas e circunstanciais abaixo:

29 de junho de 2017

SHEFFIELD TOWN HALL


O que desenhei não foi bem a Câmara Municipal – um edifício neo-gótico da época vitoriana – mas as traseiras, com a torre sineira e a praça adjacente:



Sentada literalmente no chão, no vão de uma loja, não tardou que começasse a ser abordada por outras criaturas errantes: "Very nice, love!", iam-me dizendo os sem-abrigo.


Um casal de motards, cheios de tatuagens e piercings, veio perguntar-me se sabia onde era o pub "The Red Deer". Pensavam que eu era dali (às tantas julgaram que era o meu begging spot habitual)! O dia estava cinzento, mas de vez em quando o azul do céu surgia, iluminando tudo.

26 de junho de 2017

THE DIAMOND


É um edifício ultra-moderno, todo em losangos, facetado como um diamante. Fica ao lado de um prédio bem mais vetusto, com o tijolo tão típico de Sheffield e de outras zonas centrais de Inglaterra. Foi junto a este que fiz um dos meus desenhos na semana passada:



É no Diamante que funciona a Faculdade de Engenharia, mesmo em frente ao Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais. Quatro dias na Universidade de Sheffield têm a vantagem de não nos desterrarem para longe da cidade, como já me aconteceu tantas vezes. Aqui os edifícios das várias faculdades espalham-se harmoniosamente pelas ruas do centro histórico. Estava um dia límpido e menos quente que os anteriores. A "heat wave" felizmente tinha passado. Que bela oportunidade para desenhar!


9 de junho de 2017

PASSARADA


Gosto de pássaros. Sou aquele tipo de pessoa que quando vai à feira pára nas tendas de periquitos, canários e quejandos com sorrisos de prazer. Sim, já sei, esses são pássaros enjaulados e isso é errado, condenável, blá-blá-blá. Ok, prendam-me também a mim como castigo, mas a verdade é que essa é a única maneira que tenho de os ver de perto. E acho-os adoráveis, com aquelas patinhas finas, o corpo vibrátil e os olhos muito vivos. Não sendo ornitóloga nem bird watcher, contento-me com isso e com ... desenhá-los! Deixo hoje aqui uma amostra ao acaso, de espécies não-relacionadas, unidas apenas na delicadeza do porte e na diversidade da cor:

Aquela bolinha amarela ali no meio é em honra dos meus dois canarinhos, que me acompanharam por longos anos em fases bem diferentes da minha vida. O nº 2, de nome Jacinto, andava solto dentro de casa, esvoaçando alegremente por aqui e por ali, mas não se afastando muito da gaiola. Nunca chegou a aprender as habilidades do Pimpim, o meu canário nº 1, que andava sobre o meu ombro e voava FORA de casa, voltando sozinho, todo contente, para a sua gaiola. 
     Acordo muitas vezes a ouvir o chilrear dos pássaros. Julgo que essa é até a definição habitual do despertar perfeito, não é? E sei, obviamente, que esse é o despertar perfeito para os pássaros – em liberdade. Mas, havendo tantos passarinhos à espera de ser adoptados e acarinhados, sem hipótese já de vida alternativa uma vez que foram criados em cativeiro, creio que vou reincidir. Não me batam, vá. 😇

31 de maio de 2017

SÓ PORQUE ABOMINO CAÇA...


... um nome novo para o blogue!

Sim, detesto caça e tudo o que se relacione com infligir a morte a animais livres e saudáveis por alegado "desporto". Repugna-me. Ultrapassa-me. Só de ver imagens de criaturas (humanas), aqui ou em África, exibindo troféus de caça, fico indisposta e contrita, como se estivesse a testemunhar um crime.

Por isso, é absurdo ter um blogue com um título correlato. Devia estar muito metafórica quando o escolhi. Vou, portanto, mudá-lo para um termo neutro, que não adianta nem atrasa, mas que pelo menos não me causa repulsa: "colecionadora". Voilà. O cabeçalho e a apresentação que a seguir evoco vão por isso ficar fechados no passado:


Mais vale tarde do que nunca...

27 de maio de 2017

JÁ SOU REINCIDENTE


Logo após a publicação do "Portugal por/by Urban Sketchers", eis que surge mais um atentado às nossas florestas. Desta feita, é o "Porto por/by Urban Sketchers", publicado pela Ponto M, numa requintada edição de capa dura e esmerado cuidado gráfico. (Tenho este 'post' atrasado, pois o lançamento já foi há mais de um mês, no dia 8 de Abril.) A capa, com um lindo elástico lateral preto "à la Moleskine", é assim:





Eu poluo o volume com quatro contributos de sotaque à Porto:



Nestas duas páginas aqui em cima, está à esquerda o meu desenho do Largo Mompilher (que publiquei aqui) e à direita um outro – um dos meus primeiros ensaios de urban sketching – do Largo do Terreiro, na Ribeira (aqui). A seguir, o livro abre-se na minha aguarela bem garrida da Serra do Pilar, de um lado (ver aqui), e na do Passeio de São Lázaro, do outro (aqui):



Apesar disto, garanto que o livro merece ser visto e folheado lentamente. É um belo tributo conjunto a uma bela cidade.

7 de maio de 2017

CORES E DOLORES


Com as cores de Cuba, o cigarro na mão, as argolas, as tatuagens, o olhar desafiador e toda a juventude do mundo. É a Dolores – outra modelo Sktchy. Agora estou nesta onda.


30 de abril de 2017

ABIGAIL


... ou verde sobre azul. Foi a minha primeira tentativa de retratar um dos modelos do Sktchy, 'site' que pretende "ligar as pessoas através da arte":


24 de abril de 2017

O BOLHÃO NUMA BOLHA DE TEMPO


Consta que o Mercado do Bolhão tem os dias contados no seu formato e aspecto actuais. Vai sofrer remodelações interiores profundas, ficando fechado por longos meses para obras. E os POSK, autêntico exército de registo patrimonial, meteram pés ao caminho antes que seja tarde! Foi no dia 8 de Abril. Eu, soldado-raso das canetas e pincéis, pus-me cá fora e registei a fachada da Rua Formosa, a qual talvez venha afinal a sofrer mudanças menos significativas:



O desenho no local, onde não o cheguei a pintar, ficou assim:



O meu poiso foi bem escolhido, no vão de uma montra de pijamas, defendida da multidão que calcorreava os passeios estreitos durante a manhã de sábado (obrigada ao Paulo Pebre pela interessante fotografia, que reflecte o motivo do meu desenho):


Mesmo assim, não me livrei do comentário de um miúdo de 5 anos, mimoso mas de língua afiada, que me informou, olhando com desdém para o meu esboço: "Tu não tens jeito nenhum para desenhar!" Ora bolas, lá se foram as minhas pretensões de ser a próxima Paula Rego!

Mais tarde, tirámos a fotografia de grupo, numa das escadarias interiores:



E, já cá fora, o grupo remanescente dirigiu-se, todo animado, ao lançamento do livro (sim, outro!) intitulado "Porto por / by Urban Sketchers". Foi um dia excelente, numa Primavera toda decidida.

18 de abril de 2017

PARAÍSO EM PENELA


Mais uma revelação: poucos quilómetros ao largo de Coimbra, já depois de Condeixa, e do bulício, e do trânsito caótico, subitamente... nem sombra de civilização, apenas árvores, árvores a perder de vista! É a serra de Sicó, de que eu na minha ignorância nunca ouvira falar. E, numa curva, a vila de Penela, com um castelo belíssimo e o casario branco a descer em cascata pela colina. O hotel onde ficámos, nesta brevíssima pausa pascal, encontra-se um pouco mais abaixo, junto a um curso de água, com mó, moinho e diques variados. Não resisti a um desenho durante uma caminhada matinal, que depois colori, metendo-me em senhoras alhadas no que toca aos dificílimos verdes:


Deixo aqui duas outras imagens, mais fiéis à beleza do original, naquela manhã de quinta-feira a saber a férias:



5 de abril de 2017

E AGORA NA TV...


Pois aqui a signatária virou estrela de televisão – em grupo, convenhamos, e com o tempo muito contadinho! A entrevista durou uns escassos 10 minutos, que na TV passam a voar, e pode ver-se AQUI (a partir do minuto 31):


Foi no programa "Olá Maria!", do Porto Canal, anteontem, dia 3 de Abril. Vieram também o Nuno Seabra Lopes, editor da ZestBooks e responsável pela publicação do Portugal por/by Urban Sketchers, e o Paulo J. Mendes, colega desenhador e aguarelista que muito admiro. A Maria Cerqueira Gomes, uma simpatia, lá nos foi fazendo perguntas enquanto folheava o livro (aqui o meu desenho do Hotel Palácio Estoril, em muito boa companhia): 


E nós fomos respondendo (e eu gesticulando), autênticos animais do showbiz que revelámos ser:


E pronto, agora... é a Broadway e Hollywood! 😊

25 de março de 2017

EM LIVRO


Pois é, já tenho cadastro no que toca à falta de consciência ecológica. Não contente com a minha existência virtual, eis que publico em papel:



Mas trata-se de um belo livro, daqueles pequenos no tamanho mas grandes no prazer que dão aos olhos. (Não no caso acima forçosamente 😊!) É todo ele sobre Portugal, de norte a sul e de este a oeste. A editora é a Zest. E a capa é assim:


O lançamento do livro mereceu ampla cobertura mediática 😉:
  • O DN dedicou-lhe um belo artigo de fundo, que pode ler-se aqui.
  • E a TimeOut também. Vejam aqui.
  • Last but not least, tivemos direito a aparição televisiva! Ora espreitem aqui.
O meu modesto contributo foi...

13 de março de 2017

BAGAS DE INVERNO


Não são de azevinho mas dir-se-ia que sim. E bem podiam servir para coroas de advento. Estas que tenho num canto do meu jardim mostram-se em todo o seu esplendor a partir de Novembro. Depois das chuvadas que tivemos em Janeiro e Fevereiro tive sorte em ainda encontrar algumas bagas intactas, batidas por este sol tão quente que temos tido em pleno inverno:



O nome não o sabia, mas depois de intensas buscas lá descobri: a planta, de folhas alongadas e bicudas, lanceoladas, que mudam de cor consoante a estação, passando do verde ao vermelho e ao acastanhado, chama-se "Nandina", também conhecida por Avenca do Japão ou Bambu Celeste. É um arbusto elegante e delicado, muito ornamental, de que sempre gostei muito, apesar da minha ignorância onomástica. Espero que vá dando mais umas boas estações de bagas, a pontuar de escarlate este pequeno quadrado verde, fragmento de natureza domesticada a que posso chamar meu:


5 de março de 2017

NO MIRADOURO DA VITÓRIA


Mais uma vez me dei conta de como desconhecemos o que nos está mais próximo. Refiro-me a lugares, se bem que as pessoas também possam ser exemplo disso. Nunca em toda a minha vida tinha descido a Rua de S. Bento da Vitória, em pleno coração do Porto, que desemboca no miradouro homónimo (propriedade privada mas aberta ao público – até quando, é caso para apreensão). Fi-lo num sábado, dia 25 de Fevereiro, uma manhã radiosa em que os PoSk tiveram o 12º Encontro. A vista é assombrosa, e mais assombrada estava eu por nunca ali ter ido. A aguarela, pintada depois em casa, ficou assim:


Sentada no meu banquinho de pescador, rabisquei no local a Sé, o Palácio Episcopal, a Igreja dos Grilos e a Ponte D. Luís:


Sob um sol dir-se-ia de Verão, tive de me pôr em manga curta, com o casaco de malha ridiculamente pousado sobre a cabeça a fazer as vezes de chapéu, enquanto as hordas de turistas iam e vinham. No fim da manhã, tirámos todos sorridentes a fotografia de grupo, cortesia do António Osório:




20 de fevereiro de 2017

O QUARTO DA MINHA FILHA


Aqui vai, atrasadíssimo, o desenho correspondente ao dia 6 de Fevereiro do "A Drawing a Day": "room". Aproveitei um momento raro em que o quarto ao lado do meu estava arrumado e deitei mãos à obra:




Não foi fácil desenhar de tão perto uma cama de dossel, que equivale a encaixar um cubo enorme, feito apenas de arestas, num outro cubo (o quarto) com outras tantas linhas. Mas lá dá para ter uma ideia...

Pergunto-me quanto mais tempo este quarto estará assim, habitado e iluminado pela presença tão vibrante como caótica da sua ocupante. Uma parte da mãe que sou deseja que assim continue por muitos anos; outra parte sabe que isso nem sempre é bom sinal. Felizmente, a decisão não é minha. O quarto, esse, será sempre dela. É o quarto a que poderá sempre regressar.

6 de fevereiro de 2017

ARCA DE NOÉ


Eis o resultado de um sábado de dilúvio com o meu filho de seis anos em casa a desenhar ao meu lado...



Trata-se da primeira sugestão que agarro do Desafio "A Drawing a Day" para Fevereiro (sim, o desafio continua!). A dica do dia 4 era "Animal"... e não consegui decidir-me só por um!


1 de fevereiro de 2017

TAXI DRIVER


A deixa do último dia de Janeiro do "A Drawing a Day" era "character". Depois de muitas gazetas, esta eu tinha de agarrar. É que soube desde logo qual queria escolher: a personagem de Scorcese. Desenhei Travis na versão pós-certinha, já vestido a rigor para o desastre:


Não me canso de rever este filme belíssimo (de 1976), nem de apreciar De Niro na pele do taxista icónico, um veterano de guerra mentalmente instável que percorre as noites de Nova Iorque num percurso descendente de revolta, solidão e morte.

29 de janeiro de 2017

THE SEA, THE SEA


Outro desenho para o "A Drawing a Day", este a responder à deixa "Landscape", do dia 28 de Janeiro. Nada como uma brincadeira assim, feita em conjunto, para nos motivar a desenhar! Escolhi uma paisagem marinha, de Leça da Palmeira, com a barra do Porto de Leixões ao fundo e um céu ameaçador:


E, como título, o do romance de Iris Murdoch (Prémio Booker de 1978), que acho lindo!

25 de janeiro de 2017

SELFIE


Mais uma tentativa de auto-retrato, desta vez como resposta ao "A Drawing a Day" de anteontem, dia 23. Fiquei com a cara esticada, com o nariz afilado tipo Michael Jackson e com uma testa que nunca mais acaba, mas não pude corrigir nada pois o desenho foi feito directamente a tinta, sem contemplações nem desculpas. Pus-me ao espelho com uma luz lateral forte, para conseguir sombras marcadas. Diga-se em rodapé que o meu filho de 6 anos me reconheceu, o que é sinal de alguma coisa – de quê não sei (mas palpita-me que seja de que tenho afinal a cara mais torta e esquisita do que pensava)...




20 de janeiro de 2017

UMA CHÁVENA MATINAL


O título do desafio "A Drawing a Day" do passado dia 17 era "CUP". Optei por uma "teacup", acrescentei-lhe um "saucer" e obtive a chávena (de chá) e o pires em que todas as manhãs tomo o meu... café:


Li algures que, depois de um período de guerra, a coisa de que muitas pessoas mais gostavam era poder tomar o café da manhã enquanto liam o jornal do dia. Ou seja, uma situação tão banal simbolizava não só o prazer das coisas simples e a segurança dos gestos rotineiros mas também... a própria paz. Viva ela, pois, a paz! (Que sortudos somos...)

18 de janeiro de 2017

RIDÍCULO


Chamar-lhe ridículo é talvez enganador. Talvez ele meta mais medo do que vontade de rir. Mas a apresentação e a mímica desta figura peculiar têm bastante de cómico. O cabelo. Os esgares. O efeito "escaldão com óculos de sol". Ora, a deixa para o desafio "A Drawing a Day" de 16 de Janeiro era o adjectivo em epígrafe. E não encontrei nada, nem ninguém, de mais ilustrativo do que este (assim chamado) "pig in a wig":


Na língua inglesa, o termo "pig" surge em expressões variadas, naturalmente pejorativas. Um machista é um "chauvinistic pig"; um racista é um "racist pig". E, como uma das muitas pérolas com que este homem brindou a população feminina foi a de lhes chamar "pigs", devolvo-lhe a gentileza, com pena no entanto do inocente suíno, que não merecia ser assim destratado.

Descobri entretanto que esta versão caricatural já tem vários precedentes. Deixo aqui alguns:

16 de janeiro de 2017

UM INTENSO DESEJO


O título de hoje é a tradução de "craving", o nome do desafio "A Drawing a Day" de 15 de Janeiro. Nunca tinha feito uma aguarela assim, de doçaria e gulodices. Mas gostei de trabalhar no plano do pormenor, habituada que tenho andado ao desenho urbano em grande escala:


Que versão mais cândida do desejo haverá que a estomacal? Mas, como é sabido, o desejo esfuma-se quando consumado. Daí que me esforce por manter estas bombas calóricas no plano do apetite – e não da saciedade. Há que manter a chama acesa. 😁

15 de janeiro de 2017

NANÁ AO QUADRADO


Fiz este esboço duplo da minha gata, num blocozinho de folhas finíssimas que tinha à mão, em resposta ao desafio "Um desenho por dia", lançado pela SketchBook Skool. A deixa do dia 14 (ontem) era "pet" – e o meu animal de estimação, único e absoluto, é a Naná, já pintada aqui e desenhada ali. Ei-la, de novo:


 E agora a cores:




Não me parece que consiga seguir o desafio com um mínimo de assiduidade, mas há-de haver um ou outro que me apeteça tentar... Deixo aqui a lista de dicas para o mês de Janeiro:



13 de janeiro de 2017

UMA ESQUINA DO BAIRRO ALTO


Fica no Largo do Carmo e, por entre as árvores despidas, os prédios recuperados estavam lindos, a resplandecer ao sol de inverno. Este que desenhei, sob aquele céu tão azul, foi precisamente o hotel em que ficámos, numa escapadinha em família de 3 dias – o Hotel do Carmo:


Adoro estes novos hotéis em Lisboa, implantados em prédios antigos, mas respeitando a traça original, a fachada, as sacadas e os tons pastel. Há-os para todas as bolsas, desde o segmento de luxo à versão 'hostel' e dos apartamentos, mas todos primam pelo bom gosto e por projectos arquitectónicos que respeitam a identidade e a alma do local. Eu não resisti a desenhar esta perspectiva, algo difícil, mas que para variar não me saiu mal de todo:


E não resisto também a impingir dois retratos meus in loco, o da esquerda numa das sacadas do primeiro andar, que me trazem boas recordações de uma paragem invulgar nas rotinas de Janeiro:




8 de janeiro de 2017

OS 100 ANOS DA ESTAÇÃO DE S.BENTO


A minha primeira publicação de 2017 é, afinal, de 2016 – mas do último dia, pelo que ainda se reveste de alguma novidade! Trata-se do desenho que fiz, na companhia dos Porto Sketchers, na tarde do dia 31 de Dezembro, para celebrar o centenário da Estação de S. Bento (vejam aqui alguns dados históricos interessantes). Estava um dia lindo, cheio de sol... e briol. E eu, sentada no meu banco novo de tripé, mesmo em cima da perigosa curva descendente, lá me lancei àquela quantidade de informação, sempre incapaz de a resolver com poucas linhas:



A páginas tantas, já cansada, com os pés gelados e quase a ponto de atirar com o caderno a algum dos turistas que constantemente se interpunham entre nós e a Estação, dei por terminado o esboço. Como disse depois, foi a versão possível dos 100 anos de S. Bento, com 100 gatos e 100 paciência para mais... Enfim, salvou-se o sorriso, num grupo muito simpático e produtivo:


Foi uma bela maneira de encerrar o Ano Velho!